Quem sou eu

Minha foto
Paraty, Litoral Sul Fluminense, Brazil
DETRINDA, jornalismo, música, documentários. Compositor, repórter, videomaker, diretor e produtor de produtos audiovisuais. Pai e filho. Ciente que nada sei, cheio de vontade de aprender. Para aqueles que acreditam que o bem pode se propagar. Sejam Bem Vindos! (Davi Paiva,Trindade, Paraty-Rj).

terça-feira, 15 de março de 2016

Meus heróis? Morreram de overdose.

Nos últimos tempos a sociedade tem se digladiado por conta de percepções distintas com relação aos acontecimentos políticos e sociais do nosso país. Famílias se desentendendo, seja no café da manhã ou nos grupos de whatsap. Amizades e relacionamentos abalados por convicções sobre assuntos que nem mesmo especialistas conseguem encontrar denominador comum.

É fato que a maioria nunca participou se quer de reuniões de bairro. Na escola, muitos olhavam de forma preconceituosa para aqueles alunos que participavam do grêmio estudantil. Na faculdade, jamais contribuíram com o centro acadêmico de seus respectivos cursos. Agora, todos somos cientistas políticos. Todos temos opinião formada e poucos estão dispostos a escutar e a enxergar além das manchetes sensacionalistas dos jornais. Buscar informação além da publicidade transvestida de jornalismo para embasar argumentos é algo raro.

As teorias de Marx, que despertam incomodo em muitos e a compreensão de poucos, guardadas as devidas proporções, ainda são atuais e servem sim para refletir, mesmo escritas a mais de cem anos. Embora a sociedade negue, o ranço e o ódio de classes ainda está presente, nem que seja inconscientemente. 




Outro fator interessante de se observar, é a necessidade constante da criação de heróis e vilões. A população acaba sempre sendo refém da boa vontade de santidades e da maldade dos vilões e nunca é vista como ator principal dos acontecimentos. Na inércia do sofá de casa, esperamos que Cristo volte para salvar o mundo e assim nos sentimos isentos da responsabilidade sobre os problemas. Gritamos pelo fim da corrupção, mas não perdemos a chance de sonegar imposto, ultrapassar pelo acostamento ou furar a fila do supermercado.

 A única certeza nesse Fla-Flu, ainda vai demorar muito para que nós possamos evoluir e sermos menos egoístas em nossas ações e convicções. Nesse momento, enquanto escrevo, famílias indígenas são dizimadas por fazendeiros, militares abusam de jovens negros nas favelas, na paulista, selfies são regados a champagne.

Um país continental como o Brasil, colônia de exploração, saqueado pelos gringos antes mesmo de Cabral aqui chegar, com uma dívida pública, que inclui divida interna e externa, que atinge mais de 2,496 trilhões de reais (Fonte: Tesouro Nacional -2015), não terá seus problemas solucionados com medidas simplistas e discursos de ódio. Justiça sim, ilusão não. A mudança começa em você. Então, pelo visto, seguindo o rumo da carruagem, deve ficar pra próxima.

Meus heróis? Morreram de overdose.


#textão #reflexão

Nenhum comentário: