Quem sou eu

Minha foto
Paraty, Litoral Sul Fluminense, Brazil
DETRINDA, projeto musical do compositor e Jornalista Davi Paiva, nativo da comunidade caiçara de Trindade, Paraty-Rj. Através de minhas composições e documentários busco trazer um olhar social e que se possível nos faça pensar sobre a sociedade em que vivemos e nossas ações no planeta. Produtor, Editor e Diretor do Documentário"TRINDADEIROS" : Um mergulho nos acontecimentos da década de 1970, assim como nas conseqüências do poder do capital e da especulação imobiliária no modo de vida das populações tradicionais. Musica, Documentários, Reportagens. Compositor, Repórter, Video-Maker, Editor, Produtor, Pai e Filho, sabedor de que nada sei mas com muita vontade de aprender sempre mais. Para aqueles que acreditam que o bem pode se propagar. Sejam Bem Vindos!

terça-feira, 26 de maio de 2009

A COMUNIDADE CAIÇARA

Nas décadas de 1940-50, a conformação do povoado caiçara era de um grupamento desordenado de casas isoladas umas das outras, escondidas entre a folhagem e protegidas do vento pela vegetação da orla da praia. Apesar de a propriedade ser privada, ela não era cercada e as trilhas permitiam o acesso de todos ao espaço caiçara. A praia era o centro da vida caiçara e ponto de articulação com o mundo exterior. O caiçara se distinguia pela praia a cujo grupo pertencia e a solidariedade entre seus membros era importante fator de equilíbrio, mesmo não sendo regulada por nenhuma organização ou instituição. Apesar de a atividade agrícola ser essencialmente individual e familiar, as trocas e empréstimos de produtos, a prestação de serviços e a ajuda nos trabalhos, sob a forma de mutirão, levavam a uma distribuição mais ou menos eqüitativa dos produtos obtidos nas culturas (França, 1954). O sertãoera o espaço do trabalho, onde se encontravam as roças, os bananais e a floresta, de onde se retirava lenha, ervas medicinais e onde se caçava. Em muitas comunidades podiam ser vistos ranchos construídos na praia, que serviam de habitação temporária durante a época de pesca de algumas espécies, como a tainha (Willems, 946; França, ibid.). A estrutura da casa caiçara tradicionalmente era a mesma do caipira do interior: paredes de pau-a-pique, telhado de sapê e duas águas, algumas vezes caiada. O chão era de terra batida e os móveis escassos (Carvalho, 1940). Fonte: Cristina Adams

Um comentário:

Rafaella Oliveira disse...

teria que esplicar mais.
desculpe se eu fui grossa,mais eu sò tenho 12 anos!